Para PODCASTERS (presentes e futuros)

 

Parece que foi ontem, mas nosso pequeno podcast, o Sem Gravidade completará seis meses de vida no dia quatro de dezembro. Começamos do zero sem saber exatamente como gravar, como editar ou mesmo produzir e divulgar um podcast. A única coisa que sabíamos é que queríamos falar. Temos um post em nossa comunidade do Locals que explica bem esse início e você pode chegar lá clicando aqui.

                Nestes seis meses, aprendemos muito sobre podcasts, gravação e edição de áudio e escrevo este artigo para compartilhar um pouco. São dicas de execução rápida, mas que fazem grande diferença no resultado final. Vale para quem quer começar ou quem já começou o podcast e quer dar um incremento na qualidade. Sem mais delongas:

Gravação

 

Existem várias plataformas pagas e online para gravar seus programas. A melhor opção é gravar todo mundo na mesma sala e cada um com seu microfone, mas realisticamente, a maioria dos podcasters grava online. Esse é o caso do Sem Gravidade. Passamos um bom tempo utilizando o ZenCaster. A qualidade do áudio é boa, o delay é quase inexistente, é muito fácil gravar com convidados já que funciona em qualquer celular e computador apenas com um link e ele tem redundâncias na gravação que evitam que você perca o programa por qualquer tecnicidade infeliz (acontece o tempo todo).

Migramos a pouco tempo para o Discord que também é uma boa Plataforma, mas requer alguns cuidados:

a)       Desligue o Echo Cancellation. Embora útil para evitar eco quando nem todos os participantes estão usando fones de ouvido, destrói a qualidade da gravação quando mais de uma pessoa fala ao mesmo tempo.

b)      Use fones de ouvido. Isso evita eco na gravação

c)       Use Noise Reduction e Advanced Gain Control com cuidado. Na maioria das vezes ajuda, mas às vezes te faz perder alguns segundos preciosos de áudio porque o algoritmo entendeu que não havia uma voz ativa

d)      Se estiver usando Noise Reduction e Advanced Gain Control, peça para que cada um dos participantes use o gravador do Windows/celular para gravar a localmente como backup. Se der algum problema na gravação, dá pra salvar na edição

e)      Utilize o bot Craig para gravar. Vira e mexe ele dá uns engasgos para começar a gravação, mas tem se mostrado bem confiável.

 

Edição

 

Existem vários softwares, mas o que nos atendeu melhor foi Audacity. E o melhor é que é de graça!

Se você usa o Discord com o bot Craig para gravar, então terá a gravação bruta em várias faixas de áudio; cada faixa para um participante. Esse é um ponto essencial para a edição. Com várias faixas, você consegue limpar trechos em que os participantes se encavalam falando juntos ou encaixar a fala de cada participante da melhor forma possível. Mas existem alguns macetes do Audacity que valem para qualquer caso:

a)      Normalizar o áudio

É ruim escutar um programa em haja flutuação na altura das vozes dos participantes. Pior ainda é quando de repente alguém dá um grito que explode seus tímpanos. Para evitar esse tipo de situação é que normalizamos o áudio, garantindo que todos os participantes tenham a voz na mesma altura e sem nenhum pico desagradável. Você pode seguir esses passos aqui no Audacity:

I - Selecione uma das faixas (clique duplo na faixa)

II - Vá no menu Effects -> Amplify e configure assim. Ignore o valor de Amplification. O importante é que New Peak Amplitude esteja em zero.


Isto irá amplificar o volume da faixa ao máximo sem dar clipping (distorção do áudio)

III – Vá no menu Effects -> Limiter e configure assim


IV – Vá no menu Effects -> Amplify de novo e coloque New Peak Amplitude para -2.0 dessa vez.

V – Por fim, dê play e observe o monitor. O ideal é que o áudio esteja batendo no -6. Se passar disso, dê um CTRL+Z e repita o passo IV colocando um valor maior em New Peak Amplitude. Recomendo aumentar de um em um até obter o melhor resultado


Repita o processo para todas as faixas individualmente

b)      Limpeza do áudio

Essa parte leva um bom tempo dependendo do tamanho do programa e ainda não tem uma forma rápida de fazê-lo. Para o programa ficar mais fluido, é interessante silenciar (silenciar é melhor que deletar) as falas de preenchimento e teste de ambiente (“ééééé“, “hummmmm“, “é queeeee“, “entende“, etc.). Para silenciar um trecho, selecione aquela parte e pressione CTRL+L.

Quando mais de uma pessoa falar ao mesmo tempo, escolha o participante com a fala mais relevante e silencie o outro. É melhor perder uma das falas do que não entender nenhum dos dois

Silencie respiração. Isso acontece demais. Sempre que o participante vai pegar ar para falar, o microfone capta e isso deixa a conversa menos fluida

 

c)       Remover silêncios

Depois de fazer a limpeza do áudio, remova os silêncios assim:

I – Verifique se Tracks -> Sync-Lock Tracks esteja marcado


II – CTRL + A

III – Effects -> Truncate Silence e configure assim -> OK


d)      Música

Caso seu podcast use música, experimente o Effect -> Autoduck. Serve para baixar o volume no início e no fim de um trecho. Por exemplo, a música começa alta, abaixa quando as pessoas começam a falar, e aumenta novamente no fim do bloco. Um detalhe importante para o Autoduck é que só funciona se o áudio selecionado estiver na trilha acima da trilha com as vozes.

e)      Organização

Estabeleçam uma rotina para a edição em passos. Quanto mais você automatizar a edição, mais tempo sobrará para o conteúdo. Organizem também seus projetos. Criem uma faixa para música de fundo e outra para efeitos sonoros. Se seu podcast tiver introdução e fechamento, mantenha o áudio de cada seção em uma faixa separada. Se tiver uma sessão fixa do programa, como seção de recados, mantenha em um projeto separado para te dar mais Liberdade durante a edição e no fim apenas exporte o áudio para o projeto final. Ao fim da edição de cada episódio do Sem Gravidade, eu tenho algo parecido com isso no Audacity:


 

Conteúdo

 

Esse é de longe o ponto mais importante. Se estão iniciando um podcast, sejam sempre criativos e CUIDADOSOS com o conteúdo. Se não a sabe o suficiente sobre um tema, busque um livro antes de gravar. Se você é apaixonado pelo tema, então leia dois. Uma opinião mal construída é mais nociva à discussão do tema do que o silêncio contemplativo.

Existem também vários formatos de podcast. Eis os principais:

I – Crú. Só a voz dos participantes. O conteúdo é o centro do podcast. Quanto mais preparados os participantes, melhor o programa. Recomendo o Ringuebéu Cast como referência.

II – Mega editado – Piruetas sonoras e melindros dramáticos são a marca desse estilo. Difícil de fazer porque exige muito tempo de produção. Recomendo o Escriba Café como exemplo.

III – Meio-termo – Possui uma estrutura de programa com vinheta, avisos e por vezes música de fundo. Geralmente não tem muitos efeitos sonoros fora as músicas de fundo para imergir o ouvinte. Esse é o estilo do Sem Gravidade

Em qualquer um desses formatos, preparem-se e façam uma pauta. Não precisa ser nada rígido. Às vezes escrever três tópicos principais no papel já te mantem focado e em curso. Espontaneidade é diferente de relaxo. Se querem uma base fiel de ouvintes, tenham amor pelo ouvido deles.

Para quem quiser usar músicas de fundo, recomendo a Youtube Audio Library. Todas as canções de lá são Royalty Free, exigindo no máximo uma citação aos autores caso seja postado como vídeo no Youtube.

Façam um esforço para serem constantes no lançamento dos programas. Humanos gostam de rotina e se você não for capaz de postar seus programas no mesmo dia e horário, é possível que os ouvintes buscarão alguém mais confiável.

Por fim, o mais importante é persistir. Criar uma audiência, ser constante, diferenciado e divertido é difícil e leva tempo. Seja paciente e não desista!

Deixe seu Comentário